Arqueologia - Costumes - Sufismo - Poesia - Lendas - Língua etc.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Recorda-te de Silves a “Xelb” islâmica





                  Como falar de ti Silves

                  Sem que uma lágrima me caía

                  Como a do enamorado enternecido.

                  Ou de ti, Sevilha,

                  Sem um suspiro de ansiedade?

                  Sois terras vestidas, pela chuva fina,

                 
                  Com a túnica da mocidade,

                  A mocidade que se desvaneceu

                   Quando me furtou meus amuletos

                  Assaltou-me a memória dos amores ardentes

                  Como se me consumisse um lume violento,

                   No mais profundo deste meu coração.

                 
                   Oh noites minhas de antigamente!

                   Que me importavam censuras dos críticos!

                   Nada me desviava do amor mais louco.

                   A insónia vem-me de uns olhos lânguidos.

                   E sofro por uma silhueta de esbelto talhe...
                                                                 
                                                                       Al-mu’tâmid

2 comentários:

António Mourinho disse...

Muito interessante, vou voltar para explorar ao detalhe, parabéns pela iniciativa que é de louvar. MOURO

Varela Pires disse...

... de muitíssimo boa qualidade!... Felicito o ou os autores!

Web Statistics