Arqueologia - Costumes - Sufismo - Poesia - Lendas - Língua etc.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Morabito da Torre


Antigo morabito árabe ( possivelmente do séc. X ) adaptado para capela cristã no século XVII
um dos muitos morabitos ignorados e abandonados na região do Algarve.

Os marabutas ( مربوط - marbūṭ ), mais conhecidos em Portugal como morabitos ( مُرابِط - murābiṭ ), significado de pessoa pura, a que popularmente se atribui uma certa santidade em alguns países muçulmanos, ainda marcam presença no nosso território desde a época árabe.
A mesma palavra designa, por extensão, o lugar onde habitava o morabito (uma espécie de ermita), em local isolado da povoação, ou a tumba de alguém com estas características e que era objecto de veneração popular.
A parcela de terreno variava conforme os sítios mas a vegetação mantinha-se inalterada pelo rigor e respeito ao lugar sagrado.
Os morabitos estavam sempre ligados a pontos de água como sejam poços, riachos, fontes, etc., quase sempre em lugares altos e quando havia a oportunidade, escolhia-se ser sepultado junto ao santo pelo que, normalmente, se pode encontrar por perto um pequeno cemitério.
O mawsim ou musem (الموسم), festa ritual da santidade, celebrava-se uma vez por ano, à qual acudiam fiéis de lugares por vezes longínquos.
À entrada da construção costumava haver um pequeno tanque redondo para as abluções (ritual de se lavar para purificar).
Também havia por perto uma árvore sagrada, junto da qual se depositavam dádivas.
 O fenómeno dos morabitos é típico dos países do Magrebe, estando provavelmente relacionado com formas de culto religioso anteriores ao islão, assim como cultos semelhantes na costa oposta do Mediterrâneo, dedicados a santos cristãos.
Como neste último caso, os morabitos conferiam a benção de Deus (baraka) às populações sob a sua protecção, aos peregrinos e aos que se deslocavam em romaria aos seus túmulos.

Como dissémos mais acima, ainda existem em Portugal muitos vestígios destes pequenos templos muçulmanos.
Alguns encontram-se completamente ignorados e abandonados, como o da foto acima cuja localização no concelho de Portimão é conhecida de apenas alguns e que está a servir de palheiro e de recolha de animais.

Sem comentários:

Web Statistics